Ideal X Real

54 Flares Twitter 0 Facebook 54 Google+ 0 Email -- 54 Flares ×

Uma coisa que aprendi com as experiências que já tive, é que não se pode idealizar ninguém. Nunca. Nós estamos a todo tempo imaginando e julgando a nós mesmos e as pessoas ao nosso redor. Criamos um padrão de vida, de atitudes e desejos e temos uma imensa dificuldade de aceitar o que os outros querem e fazem.

Mas, se cada cabeça é uma sentença, se cada um tem uma criação, tem influências e pensamentos diferentes, como podemos tentar encaixá-las num padrão que é só nosso? Nós somos nossa única matéria-prima e por esse motivo só podemos esperar o que imaginamos de nós mesmos. real ideal

É extremamente frustrante idealizar as pessoas. Perdemos um tempão querendo que o outro adivinhe o que queremos, o que esperamos. Querendo que ele seja exatamente o que imaginamos e nos irritando quando vemos que não é bem assim. O mais simples e mais eficaz seria simplesmente dizer o que se quer e o que se pensa, e conhecer a pessoa como ela é.

Conhece-se alguém. Conversa um pouco. A pessoa te interessa. Até aí vai tudo bem. Mas no momento que você pensa que essa pessoa pode preencher suas expectativas começa a idealização. Você já começa a pensar em tudo que essa pessoa pode ser, em tudo que vocês podem ser juntos. Talvez você tenha uma dessas imaginações brilhantes (como a minha) que já consegue imaginar toda uma vida com essa pessoa em mais ou menos 10 anos e então perdemos toda a espontaneidade, e começamos a especular, a julgar, a tentar encaixar nos tais padrões criados e a querer também agir conforme esse padrão. E no fim perdemos a melhor parte: deixar o outro ser quem ele é e aprender a gostar dele por isso e não por quem ele poderia ser. Ou simplesmente descobrir que ele não tem nada a ver com você.

Eu casei com o ideal. E foi um processo muito doloroso conhecer a pessoa real com quem me casei. Não que eu o imaginasse perfeito, mas simplesmente não conhecia seus reais defeitos para saber se era exatamente isso que eu queria pra mim. E da mesma forma aconteceu com ele. Foi como um conto de fadas às avessas, eu passei de cinderela a gata borralheira e ele de príncipe a sapo. E de repente, tudo começa a ficar muito difícil. E aí começam as acusações de “você não era assim”. Sim, era. Só que você estava tão feliz em idealizar que não se preocupou em me conhecer de verdade. E aumenta o desgaste, e um começa a ferir o outro mesmo sem querer, só por ser quem você é.

Esses são os grandes perigos da idealização. É simples assim: ideal é aquilo que se quer ter, mas não se tem. Real é o que se tem e que podemos transformar no que se quer. Algumas pessoas podem pensar: “Ah! Mas a realidade é dura e chata!” Não necessariamente. Depende do que você constrói em cima dela. A realidade não é boa ou ruim. Ela só é real e ponto. Ela é o que é. Somos nós que acrescentamos a ela o juízo de valor. Portanto, conhecer alguém real, com defeitos e qualidades, pode ser maravilhoso porque te dá a chance e a liberdade de ser também exatamente o que você é. Claro que aumenta a ansiedade e a adrenalina por não saber exatamente o que esperar da pessoa, o que ela pode te dar. Mas com certeza aumenta as chances de tomar decisões mais acertadas no futuro. Afinal, idealizar alguém é uma forma de tentar controlar o que não se pode ter controle: as decisões dos outros.

Claro que é impossível não esperar nada de alguém em qualquer tipo de relacionamento, mas podemos nos policiar para esperar somente aquilo que é imprescindível numa relação entre pessoas: respeito, consideração, carinho, atenção… E tomar cuidado para não esperar que o outro expresse isso da maneira que você quer ou considera certa, porque isso também é idealização. Você pode e deve sempre dizer o que você gosta e como você gosta das coisas, mas não exigir que o outro faça exatamente o que você quer.

Ter um ideal sem idealizações. Complexo? Pode ser… Pra isso é preciso saber o que se quer, o que se deseja, mas aprender a ver as pessoas como são, para poder descobrir se elas se encaixam no seu ideal, e o que você precisa adaptar ou redefinir desse seu ideal. Porque no final das contas é na realidade dos relacionamentos com as pessoas que acabamos por encontrar a nós mesmos.

Uma ideia sobre “Ideal X Real

  1. Karê, isso é MUITO importante. É por isso que dou MUITO valor para conversas. Acho que sempre que sentimos que temos algo que pode estar atrapalhando o relacionamento devemos conversar sobre o assunto.

    Acho essas conversas mais importantes ainda no começo do relacionamento! No começo é mais fácil deixar passar problemas porque a paixão ainda está acesa. Se você não TREINAR no começo, mais tarde fica muito mais difícil, considerando que o sentimento PAIXÃO vai embora, sobrando apenas AMAR (que é um verbo, ação, atitude do dia a dia, não um sentimento).

    Muito legal o post!

Os comentários estão fechados.