Free to decide

17 Flares Twitter 1 Facebook 16 Google+ 0 Email -- 17 Flares ×

Escutando essa música do The Cranberries me coloquei a pensar em como é necessário se refazer o tempo todo de todas as coisas que nos acontecem. Uma vez li uma frase que dizia: “Não importa o que fizeram com a gente, mas o que nós vamos fazer com o que fizeram com a gente.” Concordo e assino embaixo.

caminhosMuitas vezes o que esquecemos é que nós somos os donos da nossa própria vida e podemos fazer com ela o que desejarmos, inclusive entregá-la para outra pessoa ou deixar que outros decidam por nós. Mas mesmo assim é preciso saber que é uma escolha nossa. Uma decisão de não decidir.

Eu sempre me questionei isso de “livre-arbítrio”. Como Deus nos deixa decidir se Ele já sabe tudo que vai nos acontecer em toda nossa vida. Não seria premeditado? Não.

Realmente somos livres pra escolher qualquer coisa na nossa vida. O que Deus tem nesse caso é onisciência, ou seja, ele sabe tudo, passado, presente e futuro, propensões, defeitos e qualidades. Mas a vida é nossa sim! Ele age como uma mãe que sabe as decisões que você pode tomar e que algumas delas não são tão boas pra você e te aconselha, te mostra as possibilidades que você pode escolher, e até mesmo chora por algumas decisões que você tomou, mas não interfere. Te deixa decidir mesmo assim.

E essa é a graça maior da vida. Saber que a vida é nossa! E eu sou livre pra decidir exatamente como eu quero viver e aonde quero chegar. E o que Deus faz é abençoar essas decisões e nos dar algumas graças no caminho para fortalecer, motivar. Alguns detalhes de amor, como boa “mãe” que Ele é.

Assim acontece em todas as instâncias da nossa vida. Claro que seria muito mais fácil e menos trabalhoso simplesmente dizer: “Deus tá no comando, Ele decide minha vida”. E ao menor sinal de coisa ruim poder colocar toda culpa nele… Mas não. É difícil, mas é grandioso. Certo ou errado é minha escolha. A vantagem que a gente tem nesse sentido é que até do ruim podemos tirar coisas boas e ótimas lições. Graças a Deus. Literalmente.

Sabe aquele encosto que apareceu na sua vida, levou tudo que você tinha e te deixou na mão? Você quem escolheu. Mas sabe também aquela pessoa maravilhosa que te completa e te faz feliz? Você quem escolheu também! Se aceitamos esse emprego ou aquele, se decidimos esse caminho ou aquele. Tudinho decisão nossa. Pessoal e intransferível.

Ai você pode se perguntar: pra que Deus então? Ele é o tudo, Ele é isso. O grande maestro que rege todas essas decisões e que encaixa todas elas dentro do equilíbrio do universo. Sabe aquele velho ditado que diz “cada um com seus problemas”? Então, aqui se aplica direitinho. Deus tem uma função máxima, primordial e mais que necessária de fazer tudo acontecer sempre da melhor forma possível porque é assim que Ele nos doa seu amor infinito. Mas nós também temos nossa parte. Imprescindível para o bom funcionamento de tudo: decidir nossa vida, a cada dia, em todo tempo e arcar com as consequências de nossas decisões.

Mas dentro dessas decisões não podemos ser egoístas, pensar somente no que queremos e como queremos, porque nossa vida está inserida indiretamente na vida de outros milhões de pessoas que decidem também. E se cada um for agir por si, nunca poderemos equilibrar o universo. Em outras palavras, dificultamos e muito o trabalho de Deus (dentro, é claro, da limitação de quem nós somos e do impacto que temos dentro do todo).

Liberdade não é fazer o que eu quero na hora que quero. Liberdade é poder decidir o que fazer e o que ser, dentro de um mundo que tem regras próprias, e que, por ação ou reação, “sofre” pelas escolhas que fazemos. E agir com liberdade é colher os frutos das escolhas feitas sendo eles bons ou ruins.

Pra exemplificar podemos pensar assim: imagina uma academia que você entra e te explicam como funcionam os aparelhos, quais são os horários, onde e como você poderá se exercitar. Lá tem um instrutor que vai te analisar, saber tudo sobre seu corpo, o que precisa melhorar e quais os aparelhos que vão ajudar nisso. Ele faz sua ficha com o número de exercícios, séries e pesos que você pode usar pra atingir com rapidez seu objetivo. Mas aí, depois de tudo isso, com a ficha na mão, você faz o que você quiser e como quiser. Você pode seguir à risca o que ele prescrever ou modificar uma ou outra máquina, aumentar ou diminuir o peso, ir em um horário diferente… Enfim, fazer do seu jeito usando sua liberdade, e seu instrutor não vai interferir nisso. Vai te aconselhar, te mostrar como fazer melhor, mas vai deixar você fazer, observando sempre. Caso ele veja você fazer algo errado, que talvez prejudique a saúde do seu corpo, ele vai te aconselhar e te ensinar o certo, mas se você quiser insistir no erro, o risco é seu e as consequências disso também.

Bom, o exemplo é limitado, mas nossa liberdade de escolha é enorme. Temos que adquirir consciência das decisões que fazemos pra não perder tempo procurando culpados para o que nós mesmos provocamos em nossa vida.

Deixe uma resposta