Teoria de Maslow

39 Flares Twitter 1 Facebook 38 Google+ 0 Email -- 39 Flares ×

Estava lendo uns textos sobre motivação e satisfação e me deparei com a pirâmide de Maslow. Não sei se todo mundo já viu, mas ela indica que o nível de realização e felicidade do ser humano depende da satisfação de certas necessidades em uma ordem lógica. Mais ou menos assim:

Maslow

E eu comecei a viajar nisso. E como sempre fui parar nos relacionamentos. Afinal todo relacionamento é uma crescente, e as necessidades também evoluem ao longo do tempo.

E o que a pirâmide me trouxe foi: para chegar à realização pessoal dentro de um relacionamento é preciso seguir uma certa ordem, tendo um compromisso ou não.

Quando estamos solteiros, acho que essas necessidades se definem assim:

As necessidades fisiológicas se traduzem em gostar de quem você é. Olhar no espelho e se sentir confiante. Sentir-se capaz. Ter estabilidade na vida, nas emoções. Ter suas necessidades básicas supridas (trabalho, estudo, dinheiro, diversão, conquistas…). Senão, irá buscar alguém para supri-las. E como essas primeiras necessidades são muito básicas, você acaba se relacionando só por carência. E aceitando qualquer coisa também.

Depois chegam as necessidade de segurança. Acho que o mais importante aí é confiar em si mesmo. Ser capaz de correr riscos e arcar com as consequências deles. Enfrentar seus medos e inseguranças. Traçar metas e planos. Saber que o que você está construindo não vai ruir em um instante. Essa parte interfere totalmente no próximo estágio.

As necessidades sociais. Precisa falar? Sair, dançar, fazer cursos, conhecer gente. Conversar, se interessar pelas pessoas. Enfim, se colocar na “pista pra negócio”.

Só aí podemos entrar nas necessidade de estima. E é nessa fase que eu acho que surgem as boas possibilidades: quando você se sente suficientemente interessante. Quando todos os seus feitos e conquistas caminham para a realização dos seus sonhos. É aí que se pode compartilhar sonhos. Quando você tem os seus e os estima acima de tudo.

Percorrer essa pirâmide até aí ajuda muito a ter a segunda fase: o relacionamento. Mas ele também segue essas necessidades. E eu acho que funciona mais ou menos assim:

Primeira necessidade de um relacionamento que surge é a atração, o envolvimento físico, o corpo, a pele. Não estou falando de sexo, mas de química mesmo. É preciso olhar o outro e gostar do que vê. É preciso se arrepiar por estar junto. Frio na barriga, sorriso no rosto, vontade de abraçar, de beijar. Sentir o olho brilhar ao olhar ou falar com a pessoa. Não falo de tipo físico ideal, mas satisfazer o seu desejo dentro daquilo que você busca em alguém. O que te atrai. Não tem como estar com alguém sem isso.

Depois, vem as necessidade de segurança. Sentir-se seguro com a pessoa. Saber que pode confiar nela. Fazer planos, pensar no futuro. Ter a garantia de poder entregar seu coração sem ficar ansioso, aflito, por não saber o que vai acontecer. Saber que no dia de amanhã ela estará ao seu lado. Saber que é importante para o outro. Que o outro também sente o mesmo por você.

E aí, essa parte estando resolvida, você parte para as necessidades sociais. E é quando você conhece a família, os amigos do outro. Convivem com as outras pessoas. Inserir-se no grupo social da pessoa. Os amigos vão dizer o quanto ele(a) é legal e combina com você. As famílias apoiam. Enfim, tudo encaixa. Claro que não precisa ser perfeitamente. Mas também ninguém quer uma campanha anti-você na casa dele(a).

E depois você atinge as necessidades de estima. E é quando começa surgir a admiração. Aquele brilho nos olhos de quem só tem olhos para você. Aquela sensação de que ninguém te faz melhor do que ele. Que só aquela pessoa faz brigadeiro do jeito que você gosta. “Ele é fera nisso”. “Eu sei que ela sabe isso”. Você admira aquela pessoa pelo que ela é e se sente admirada também. Aumenta sua autoestima, sua sensação de capacidade. Você está pronto para enfrentar o mundo. E, mesmo não sendo tudo flores, você sabe que o apoio está presente.

E quando se passa por toda a pirâmide, seja solteira ou comprometida, o resultado é o mesmo: auto realização. Você se sente feliz, sabe que pode fazer alguém feliz. E sente-se realizada, fazendo com que o outro se sinta valorizado também. Isso porque o suporte que o outro te dá, juntamente com a força que você conquistou, te ajudam a ser você mesma, reafirmam seu eu no mundo.

Acho que essa é a pirâmide da vida. Nada funciona tão redondo e nem tão definido, mas existe uma lógica em cada uma das situações e pessoas que conhecemos ao longo da vida. A luta por chegar ao topo dela é a necessidade de se comprometer com a sua felicidade e realização pessoal. Mas a passagem por cada um desses estágios nos ajuda a avaliar nossos passos e tomar melhores decisões.