Em fuga da Terra do Nunca

41 Flares Twitter 1 Facebook 40 Google+ 0 Email -- 41 Flares ×

Peter_panTenho refletido muito em como está difícil amadurecer nos dias de hoje. Em todos os aspectos. Não sei qual seria o verdadeiro problema. Talvez seja a falta deles que causa isso. Talvez seja porque não temos mais que lutar por grandes coisas, nem por direitos básicos. A vida hoje é muito mais estável e temos nossos direitos fundamentais garantidos, querendo ou não. Talvez essa falta de ter que demonstrar quem somos e lutar pelo nosso espaço cause esse amadurecimento tardio e até inexistente.

O problema se expande por todas as áreas da vida. Trabalho, objetivos de vida, diversão, trato com os demais. Tudo. E quando se trata de relacionamento então… Muitas vezes me sinto na Terra do Nunca, com um monte de meninos perdidos e outros milhares com síndrome de Peter Pan.

Não que eu seja super madura, longe disso. Mas acho que já conquistei um pouquinho por, pelo menos, me permitir crescer. Sair da Terra do Nunca. Dar tchau para os conselhos da Sininho. Parar de voar o tempo todo e colocar os pés no chão.

Tem muita gente por ai que se acha muito madura. E recriminam os outros por serem infantis. E, para mim, o simples fato de se achar muito madura já é uma imaturidade enorme.

Existem alguns sinais que, na minha humilde observação, mostram que você está crescendo.

Primeiro, parar de brigar pelo seu ponto de vista. Sair por aí discutindo sobre qualquer coisa, só para dizer que você tem uma opinião. E também parar de achar que sua opinião é fundamental e, em função disso, todos tem que ouvi-lo. A única coisa que se consegue agindo assim é que os outros achem você um pé no saco cheio de opinião que ninguém pediu.

É claro que é muito importante se posicionar.  É muito imaturo ficar em cima do muro. O mundo pede decisão. E amadurecer é, basicamente, escolher e arcar com as consequências das suas escolhas. Mas é preciso muita maturidade para não forçar ninguém a te ouvir, e aprender a só dar sua opinião quando pedida.

Outro ponto que eu considero de grande maturidade é entender que todo mundo passa por uma jornada de vida. E nós não temos ideia de como isso funciona para cada um. Onde isso piora, ou onde dói mais. Portanto, faz parte do amadurecimento respeitar todo mundo. Compreender antes de julgar. Aprender a se colocar no lugar do outro.

E isso traz um outro ponto fundamental no crescimento humano: não se importar com as coisas pequenas do dia ou com pessoas que não te acrescentam nada. Não para passar por cima dos outros ou desrespeitar ninguém. Mas entender que a vida é muito maior que tudo. Que qualquer coisa que aconteça, boa ou ruim, vai passar. Então é melhor aprender a receber e doar. Aprender a aproveitar o momento e tirar sempre o melhor de tudo. Não sabemos quando essa vida aqui acaba.

E dessa forma aprendemos também a aceitar as escolhas dos outros, mesmo que para nós pareçam erradas, pecados, problemas. Uma das grandes imaturidades, para mim, é dizer que aceita os “erros” dos outros, mas desde que as consequências dele não sejam visíveis. E por isso, “eu aceito a menina que tenha ficado com metade da cidade e mais um, mas não aceito aquela que engravidou do único homem que teve na vida”. Ou ainda, “eu acho sem problema que alguém termine mil relacionamentos a cada ano, mas não quero aquele se divorciou – porque só pode ser problemático”. A questão é que todo mundo erra e acerta, e as consequências disso nem sempre se podem esconder ou lidar com elas sem que ninguém saiba. Mas se permitir conhecer o outro por quem é, independente do que já aconteceu na vida dele, é realmente maduro.

Aceitar que não sabe tudo. Disponibilizar-se a aprender com o outro, com a vida, em todos os momentos. Reclamar menos das coisas. Não achar que para amadurecer é preciso perder a graça. Parar de culpar os outros ou a vida.  E entender que sua vida é exatamente do jeito que você escolheu que ela fosse, são os maiores sintomas de maturidade.peterpan

Não acho que crescer seja um ponto final. Acho que o amadurecimento é um caminho. Um processo. Não tem fim. E todo crescimento dói. Mas uma dor gostosa – se é que isso existe – que traz consigo a vantagem de um passo mais firme em direção ao futuro.

Sei que é bonito, é seguro e divertido, mas temos que abandonar a Terra do Nunca, mesmo que aos poucos. Porque quem não quer crescer acaba ficando para trás. E não tem coisa mais feia e desanimadora que encontrar um monte de adultos “Peter Pan”, que acreditam em fadas, não levam as coisas a sério, voam o tempo inteiro e ainda culpam o Capitão Gancho por todos os seus problemas.

2 ideias sobre “Em fuga da Terra do Nunca

  1. Fã, número das suas escritas e reflexões. Aprendo muito com cada uma delas. Beijos grande e saudades Ana

Deixe uma resposta