Palavras nunca ditas

41 Flares Twitter 2 Facebook 39 Google+ 0 Email -- 41 Flares ×

Esses dias estava dirigindo e pensando em tanta coisa que deveria ter sido dita. Em tanta coisa que a gente cala para ser diplomático ou simplesmente porque não vale a pena dizer. Não naquele momento, no calor da coisa. Mas se não são ditas nessa hora, nunca serão. Porque quando muda o contexto, muda a história, mudam as pessoas e se perde todo o sentido.verborragia

Vi uma vez uma frase que dizia: “morreu engasgada pelas palavras que não disse.” Isso realmente deve matar. Talvez não fisicamente, mas mata por dentro. Corrói aos poucos.

Não acho que se deva falar tudo que vem na cabeça. Acho que ser sincero não é dizer tudo que você acha, doa a quem doer. Acho que ser sincero é antes de mais nada ser verdadeiro. Principalmente com seus sentimentos, mais do que com seus pensamentos. Porque você pode dizer mil coisas e não sentir nenhuma delas. Mas o sentimento… Ah! Esse sim fala tudo. E é ele que a gente cala, e muitas vezes por medo. Medo de ser quem você é. Medo de afastar as pessoas. Medo de parecer horrível ou inadequado o que você está sentindo.

Mas as pessoas tem o direito de saber o que está te passando. O que você está sentindo. Mesmo que não queiram saber. Mesmo que prefiram não saber. Elas tem esse direito. E você, o direito de se libertar da prisão onde você guarda seus sentimentos. Antes que seja tarde demais. Antes que tudo exploda de uma vez. Com a pessoa errada, no momento errado.

O que o outro vai fazer com o que você está dizendo é problema dele e não seu. Esse é meu mantra diário. Minha luta de aprender a libertar minhas emoções e não deixar que essas palavras não ditas me sufoquem.

Eu sei – e como sei – que tem momentos em que parece que você simplesmente perdeu a voz. As palavras estão todas presas na garganta, esperando que apenas uma saia. Só uma já seria capaz de causar um vômito de palavras. E ela não vem. E você assiste a tudo. Dizendo um monte de coisas e não falando nada. Nenhuma das palavras que eram para ser ditas.

E às vezes até ferindo as pessoas por não dizer exatamente o que deveria ser dito. Sendo agressivo e não assertivo. E na maioria das vezes com as pessoas erradas. Com aqueles que nada tem a ver com a história. Nem com a confusão dos seus sentimentos, nem muito menos com seu engasgo verbal.

E por isso esse texto hoje. Fruto de tanto pensar nessas minhas palavras não ditas. E como, ainda hoje, elas estão presas na minha garganta, e me sufocam quando penso nelas.

Como o momento exato de dizê-las já passou, pensei em colocar algumas aqui. Pode ser que me libertem. Mesmo que as pessoas que eu gostariam que as ouvissem provavelmente nunca as lerão. Mas eu quero abrir a porta da minha prisão e dizer: “Saiam. Fujam para longe de mim. Eu liberto vocês para que vocês me libertem também.”

Então, um aviso, aí vai meu vômito verbal. Se não quiserem ler isso é melhor parar por aqui. Porque de agora para frente são só palavras. Dirigidas à alguém ou “alguéns”. Mas se você está disposto, pode ler. E talvez elas te encorajem a soltar as suas palavras também. E se libertar da sua prisão.

Para alguém:

verborragia 2Não é justo entrar na vida das pessoas e brincar com seus sentimentos. Não é justo fazê-las sentir que nada valem. E que são apenas brinquedos nas suas mãos. Que não tem valor. Que não importam. Quem você pensa que é? Porque você se acha tão superior aos outros? Sim, eu chorei. E muito. E sofri. Demais. Como se tivesse um buraco em mim. Mas não chorei por sua causa. Chorei por mim. Chorei por me sentir tão boba, tão pobre e tão desamparada. Chorei e sofri por ter me deixado passar por tudo isso, sem merecer. Chorei por ter deixado que alguém me machucasse assim. Chorei por não conseguir gritar na sua cara o tamanho da dor que eu estava sentindo.  Chorei por, ainda assim, achar que eu tive culpa. Mas não morri. Estou mais inteira do que antes. Mais firme do que antes. Muito melhor do que antes. Porque a vida é assim, quanto mais apanhamos mais crescemos. A massa do pão é muitas vezes amassada para ficar boa. A uva é inúmeras vezes pisoteada para fazer um bom vinho. E com a minha vida não seria diferente. Por isso, não nego que sofri e que chorei. Mesmo você não sabendo disso. E se você me vê sorrir, brilhar, viver com tanta ânsia hoje, não ache que é porque você não me magoou. Que ficou tudo tranquilo entre a gente. Não. Você me matou por dentro. Você feriu uma parte muito importante de mim. Mas eu não tenho mais medo de ser pisoteada, amassada, quebrada. Porque eu sei que vou me reerguer quantas vezes forem necessárias para ser sempre o melhor de mim. E tudo o que vivemos, toda a história que tivemos, o jeito que as coisas aconteceram, e como você agiu comigo só me fez perceber uma coisa que na hora eu não percebi: isso tudo fez de mim uma mulher e de você um moleque.

Uma ideia sobre “Palavras nunca ditas

  1. Adorei o texto, Karê!! =) Me ajudou a pedir perdão nesta semana e não deixar passar o momento, a colocar o pingo nos is e ir até o fundo em um diálogo, a falar de Deus, do amor, da esperança, hoje para as pessoas que estão à minha volta e não deixar para outro dia. Obrigada por compartilhar sabedoria!!

Os comentários estão fechados.