Pelas estradas da vida…

45 Flares Twitter 1 Facebook 44 Google+ 0 Email -- 45 Flares ×

Esse fim de semana participei de uma confraternização em uma chácara mais afastada da cidade. Ia encontrar amigos, conversar e estava super animada por isso. Acordei, me arrumei, peguei meu carro e o mapa e fui.rally

Quando estava chegando mais perto a chuva começou fortemente. E a minha surpresa foi encontrar o início da estrada de terra para chegar lá. Confesso que eu não tinha estudado o mapa antes de ir, e achei que seria apenas um trechinho de terra. Mas eram 9 km.

Quando entrei na estrada, meu carro começou a deslizar sobre a lama. Preocupada eu parei o carro, e nesse instante meu carro atolou um pouco. Tive muita dificuldade de sair, mas consegui. Resolvi continuar um pouco mais. De repente, meu carro derrapou e começou a rodar na pista. Meu coração quase parou.

Pensei em desistir e voltar para casa. Respirei um pouco e resolvi voltar ao início da estrada e ligar para alguém que já estivesse lá. Meu amigo me disse que não estava chovendo e que somente o início da estrada estava assim, que eu continuasse em frente que a estrada ia melhorar. E disse que se precisasse era só ligar que ele iria me buscar no caminho.

Fiquei mais tranquila. Empreendi novamente o caminho. Com mais atenção e mais confiança. E um pouco mais ciente de que poderia acontecer alguma coisa, mas tranquila por saber que eu poderia pedir ajuda.

E fui pelo caminho novamente. A chuva aumentou, o carro ia dançando na estrada, mas eu estava focada em chegar à chácara. Coloquei música e fui cantando. Já não estava com medo, estava até me divertindo. Encontrei outros carros no caminho e fizemos um comboio para chegarmos juntos lá.

tempestadeAssim que cheguei ao meu destino, eu fiquei pensando em como esse caminho tinha sido interessante. E como a vida funciona exatamente assim. A gente define as metas a serem atingidas e os lugares onde queremos chegar, mas o caminho é construído ao longo do processo.

E muitas vezes, a estrada fica estranha, difícil de seguir. E a gente precisa redobrar a atenção nela. E continuar avançando. Por que por muitas vezes vai dar vontade de parar e voltar atrás, porém manter o foco no objetivo é o que mais importa. A tempestade nunca dura para sempre. E quando ela for embora, nos sentiremos orgulhosos de não ter parado. Ficaremos muito felizes de ter tido força no momento difícil, de ter continuado a caminhar mesmo quando parecia não fazer muito sentido.

E foi muito bom ver como nosso ânimo e nossa vontade muda quando percebemos que não estamos sozinhos no caminho. Quando vemos que muitas pessoas se dispõem a ajudar, basta que nos reconheçamos necessitados de ajuda.

Foi legal perceber também que aquilo que nos mete medo a princípio, pode ser visto de maneira diferente se nos propomos a encará-lo. Porque o mesmo caminho que quase me fez desistir, depois se transformou em uma aventura divertida e diferente, e também em história para contar.

Temos, provavelmente, muitos caminhos na vida que agora se encontram em meio à tempestade. Mas vejo agora a necessidade de mentalizar o objetivo, de encarar nossos medos, redobrar nossa atenção e enxergar aqueles que caminham conosco nessa estrada.

caminho juntoE vi também a necessidade de simplificar quando tudo parece complicado demais. No meio da tempestade, é possível ouvir música, relaxar e deixar tudo fluir, mesmo sem parar de seguir em frente. E não repelir àqueles que nos rodeiam, mas trazê-los para mais perto e pedir ajuda ainda que acreditemos dar conta sozinhos.

A vida não é um ponto de chegada. Não é somente uma meta a alcançar. Ela é feita de todos os caminhos que trilhamos. Acontece exatamente em cada passo que damos. E vale a pena por cada pessoa que deixamos participar da nossa estrada e a cada um que caminha conosco.

2 ideias sobre “Pelas estradas da vida…

  1. Me diverti lendo isso. Não fui testemunha ocular, mas auricular, hehehe. Interessante como muito do que nos acontece pode gerar uma reflexão interessante se paramos pra pensar. Obrigado Karê.

Os comentários estão fechados.