Mais amor, por favor!

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- 0 Flares ×

amorEu tenho visto essa frase constantemente nos últimos tempos. Às vezes nas mídias sociais, e até na rua, pichado em algum muro. E eu concordo. Como poderia não concordar? Amor é o tipo de coisa que nunca é demais.

Eu sei que tem até associação que tratam pessoas que amam demais, mas se analisarmos bem, estamos falando de um distúrbio e não de amor de verdade. Porque amor de verdade, desse desinteressado, paciente, bondoso e que não busca somente o próprio bem, esse nunca é demais. E para esse eu bato palmas e grito de peito aberto: “Mais amor por favor!!”

Mas eu passei um tempo olhando o Facebook esses dias e não senti nada muito diferente de angústia e raiva. Não sei se mais gente se sente assim, mas eu perco a animação quando vejo como nos relacionamos nas redes sociais atualmente.

O que tenho percebido é que esse pedido de “mais amor” não é pessoal. Eu peço mais amor para as pessoas, esses seres desalmados e cheios de ódios que não concordam com o que eu penso. Mas eu? Não, eu sou só amor. Eu não preciso amar mais. Eles! Eles sim precisam de mais amor, por favor!

E com isso aceitamos mil incoerências. E com isso eu justifico ser tão intolerante com a opinião dos outros. E com isso minha opinião se torna a única verdade possível. E começo sempre meus discursos com um “respeito sua opinião”, desenvolvo com um “mas você está errado” e termino com um “você deveria estudar/se informar/rever seus conceitos – coloque aqui o verbo da forma pejorativa que deseje – e por favor, mais amor”!

E eu fiquei me perguntando porque chegamos nesse ponto? Porque estamos cada vez mais conectados virtualmente e desconectados na realidade? Eu tenho mil e cacetada de amigos em redes sociais, mas não faço ideia da jornada que cada pessoa está enfrentando e nem me preocupo com isso. O que sei é que ele é um petralha ou um coxinha, ou um homofóbico, um libertino… e sei lá mais o quê para rotular os outros. E não perco um só minuto do meu dia para conversar e conviver com as pessoas. O que sei é que eles precisam amar mais, porque assim está difícil.mais amor

A resposta que veio para minha angústia gritava aos meus olhos, e me doeu perceber. Enquanto o problema são eles, nada muda. A coisa só vai mudar quando o problema for eu mesma. Porque essa é a única pessoa que eu posso modificar. O resto eu somente posso torcer para que mude e, talvez, posso servir de exemplo de mudança também.

Se eu quero mais amor, que eu dê mais amor. Que eu acorde e vá dormir pensando em como posso amar mais. E não um amor do meu jeito, mas o amor em sentido amplo.

Que me perdoem os não religiosos, mas para mim a melhor descrição é de 1Co 13, 4-7: “o amor é paciente, é bondoso. Não tem inveja. O amor não é orgulhoso. Não é arrogante. Nem escandaloso. Não busca os próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor. Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta”. E eu acrescentaria a essa descrição que o amor também não descansa na vontade de amar, e se esforça em ser cada dia mais amor.

Isso é uma linha de ação. Um norte para descobrir se meu amor está realmente sendo amor ou uma forma de aliviar minha consciência. Claro está que somos humanos e, portanto, não perfeitos. E nem sempre seguiremos tudo que está escrito. Mas é da luta e do esforço em amar melhor que vem a possibilidade de conviver melhor.

E se cada um estivesse pensando em como amar melhor, com certeza não teríamos que assistir perplexos pessoas que roubam quando deveriam cuidar do patrimônio de todos, pessoas que matam porque o outro não me quis mais ou porque tivemos uma desavença, pessoas que alimentam o vício de outras para enriquecer e ostentar. E com certeza não veríamos também as pequenas corrupções e delitos do nosso dia-a-dia.

amor 1Porque amar o outro, amar o mundo, supõe saber que faço parte dele e sou tão digna desse mundão quanto todas as outras pessoas. E se todos pensassem uns nos outros, eu não precisaria passar por cima de ninguém para conseguir uma vantagem para mim.

E agora, cada vez que eu penso que está faltando amor no mundo, o pensamento vem acompanhado de uma autorreflexão: como eu estou amando? O que eu tenho feito para modificar a realidade em que vivo em um espaço de mais amor, seja esse espaço físico ou virtual?

Mais amor, por favor! Principalmente em mim!!

Deixe uma resposta