Arquivos

De quem é a culpa?

Meu carro pifou comigo um tempo atrás. Simplesmente me deixou na mão no meio da rodovia, sem sinal de celular. Sozinha. Na hora eu me senti traída pelo melhor amigo. Como ele podia fazer isso comigo? Conversei com ele, fiz umas rezas e não sei dizer exatamente o que foi que resolveu, mas ele voltou a andar. Como em um passe de mágica. E eu super satisfeita voltei para casa.

Passei um mês e meio contando com essa camaradagem do meu carro. Isso mesmo, um mês e meio sem levar no mecânico nem por alívio de consciência. Achei que ele era meu parceiro e não ia me faltar mais. Ele tinha aprendido a lição. Leia mais

De Machu Picchu para a vida – Quarto dia

fb_img_1473190446785Enfim chegamos ao último dia da trilha. Vim narrando alguns dos aprendizados que tive nessa jornada e que eu trouxe para a minha vida. Eu recomendo a todo mundo essa experiência, enfrentei meus limites, meus medos e me enchi de novos amigos.
O último dia começou às três da madrugada, com o ritual do chá de coca – confesso que no último dia eu não queria nem pensar mais nesse chá e nem muito menos ouvir o querido que nos acordava com ele. Mas recolhi todas as forças que restavam depois de todo o esforço dos três dias e juntei as minhas coisas na mochila. A essa altura eu e a mochila éramos praticamente um só. Me sentia um caramujo carregando sua casa nas costas. Enfrentei o banheiro nada agradável do acampamento e o frio da madrugada. Leia mais

De Machu Picchu para a vida – Terceiro dia

20160902_180340Hoje vou falar sobre o terceiro dia da trilha. Ele começou para mim na felicidade total. Porque depois do desafio do segundo dia, eu estava me achando algo perto de mulher maravilha. Então, pensei: “vai ser fichinha esse terceiro dia”. E não foi.

Primeiro que começou chovendo, só para dar um pouco mais de emoção. Foi o dia mais frio. E logo pela manhã, depois de levantar acampamento, subimos até quase quatro mil metros de altitude de novo. Eu não esperava por isso. Meu corpo não esperava por isso. Leia mais

De Machu Picchu para a vida – Segundo dia

img_3828Continuando a saga de aprendizados da Trilha Inca, chegamos ao temido segundo dia. Desde muito antes da viagem, líamos em blogs e comentários que o segundo dia era o pior, o mais cansativo e o mais difícil. Realmente foi. Mas foi também o mais valioso e gratificante.

O dia começou novamente às cinco da manhã com o ritual do chá de coca para ajudar na respiração. Nesse dia atingiríamos o pico mais alto da nossa trilha: 4.215 metros de altitude. Topo da montanha. Leia mais

De Machu Picchu para a vida

img_4064Esse ano eu resolvi comemorar meu aniversário de um jeito diferente. Combinei com mais duas amigas e fomos fazer a Trilha Inca de quatro dias até Machu Picchu. Quando eu contei isso em casa, minha mãe me perguntou se eu não estava feliz em fazer aniversário. Eu estranhei a pergunta e ela disse: “só pode estar com raiva para se dar uma punição dessas”. Realmente, para quem me conhece sabe que dormir em barraca, sem banheiro e sem conforto, é algo que não me representa. Mas eu senti essa vontade louca de fazer essa experiência diferente. E lá fui eu.

Sabia que seria muito rico em aprendizados, mas não contava que fosse tão transformador. E por isso resolvi escrever sobre essa experiência.

Decidi escrever não para contar como foi minha viagem. Imagino que ninguém queira saber isso realmente. Viagem é bom para quem foi, não é? Mas resolvi escrever porque tive vários aprendizados que mexeram comigo profundamente e achei que valia a pena relatar. Cada dia da trilha foi uma experiência e um aprendizado diferente e intenso.

Pensei muito na vida, na jornada que traçamos e nos relacionamentos que temos. Não existe fórmula pronta para nada, mas podemos tentar tirar o melhor proveito de todas as situações da vida. E foi isso que refleti. O que a minha experiência na Trilha Inca me traz para a vida e para os relacionamentos.

Por isso, vou dividir esse post em quatro. Um para cada dia. Cada dia e suas lições para a vida. As lições da Trilha Inca. Ou como uma experiência tão diferente pode mudar minha forma de viver.

Preparem-se. Vem aí o primeiro post da sequência!