Arquivos

Joga fora no lixo

A vida ultimamente nos propõe uma correria só. É sempre muito intenso dar conta de tudo o que a vida moderna pede. E como tudo acontece de uma vez, essa semana eu tive a agradável notícia de que todos os meus aplicativos de nuvem atingiram a capacidade. lixo 1 Eu nem sabia que isso era possível de acontecer tão rápido. Mas acabou que eu precisei fazer uma limpeza para que eu pudesse continuar armazenando mais coisas. Essa é a modernidade criando problemas que você nunca tinha imaginado passar. Leia mais

Mais amor, por favor!

amorEu tenho visto essa frase constantemente nos últimos tempos. Às vezes nas mídias sociais, e até na rua, pichado em algum muro. E eu concordo. Como poderia não concordar? Amor é o tipo de coisa que nunca é demais.

Eu sei que tem até associação que tratam pessoas que amam demais, mas se analisarmos bem, estamos falando de um distúrbio e não de amor de verdade. Porque amor de verdade, desse desinteressado, paciente, bondoso e que não busca somente o próprio bem, esse nunca é demais. E para esse eu bato palmas e grito de peito aberto: “Mais amor por favor!!” Leia mais

Queimando as naus

largar_empregoAno passado eu tomei a decisão de sair do meu emprego. Não foi nada fácil para mim. Exigiu uma coragem que eu nem sabia que tinha. Mas eu sabia que eu precisava mudar de direção. Fazer aquilo que realmente queria fazer. E como a orientação que eu tive sempre foi a de sair de um emprego quando já estiver com outro certo, simplesmente largar tudo sem a certeza de algo parecia muita loucura. Mas eu sentia que precisava tentar. Sabia que não dava mais para me agarrar em coisas que não me levavam aonde queria. E o salto no escuro, apesar de prazeroso, foi extenuante. Afetou meu corpo, minhas emoções e exigiu largar o controle e aprender a respirar.

Conversando com meu irmão, ele me falou de uma expressão que eu não conhecia e achei bem interessante. “Queimar as naus”. Pesquisando mais sobre a origem dessa expressão eu descobri histórias interessantíssimas. Leia mais

Qual o seu ponto cego?

pontual Eu sempre achei que era importante respeitar o tempo do outro. Não fazer os outros esperarem é parte de demonstrar que você se importa, na minha opinião. E por conta disso sempre me achei a mais britânica do mundo. Não gosto de chegar nem antes nem depois, mas exatamente na hora. Isso meio que virou um ritual. Consultas, reuniões, salão de beleza e etc. Se percebia que não ia conseguir chegar já ligava ou mandava mensagem avisando. E foi uma vida inteira me achando a mais pontual das criaturas.

E acontecia que todas as vezes que ia marcar algo com os amigos, eu recebia aviso para não me atrasar. Ou recebia aquelas ironias de “nem adianta marcar essa hora já que você não vai chegar mesmo”. Aquilo me irritava profundamente. Leia mais

Esperar é saber

fila de espera Vou falar de um tema recorrente aqui no blog. Como sabem, aqui falo sobre aprendizados que tive, tenho ou preciso ter. Coisas que aprendo comigo mesma e com os outros. E sei que como todos estamos unidos nesse caminho que é a vida, as minhas reflexões podem ser as reflexões de muita gente. E por isso lá vem ela outra vez: a paciência. Eu já aceitei que sobre ela eu passarei a vida inteira aprendendo.

E mais uma vez eu dei uma pausa na minha ansiedade e pressa para pensar no que significa esperar. Ter paciência nos exige saber esperar. Não que toda espera nos faça pacientes, porque eu percebi que existem diversas maneiras de esperar. Basta olhar uma fila de atendimento de qualquer coisa e é possível perceber que o fato de ter que esperar não nos torna necessariamente pacientes. Leia mais