Arquivos

De quem é a culpa?

Meu carro pifou comigo um tempo atrás. Simplesmente me deixou na mão no meio da rodovia, sem sinal de celular. Sozinha. Na hora eu me senti traída pelo melhor amigo. Como ele podia fazer isso comigo? Conversei com ele, fiz umas rezas e não sei dizer exatamente o que foi que resolveu, mas ele voltou a andar. Como em um passe de mágica. E eu super satisfeita voltei para casa.

Passei um mês e meio contando com essa camaradagem do meu carro. Isso mesmo, um mês e meio sem levar no mecânico nem por alívio de consciência. Achei que ele era meu parceiro e não ia me faltar mais. Ele tinha aprendido a lição. Leia mais

O que será que eu fiz de errado?

terminando-o-namoroHoje eu recebi uma mensagem de uma amiga com uma foto reveladora. Tempos atrás eu era apaixonada por um menino do meu colégio. Arriava os quatro pneus, e mais o estepe, por ele. Tivemos um romance adolescente, mas nada muito sério e duradouro. Mas acho que nem precisava, porque eu fantasiava o suficiente por nós dois. Só que nunca engatava nada. Ele parecia gostar de mim, mas era só isso. E eu me martirizava, morria e sofria com o desprezo dele. “Por que não me liga”? “O que eu tenho de errado”? “Será que eu não sou bonita ou legal o suficiente para ele”?

Foram dois anos apaixonada. Leia mais

De Machu Picchu para a vida – Quarto dia

fb_img_1473190446785Enfim chegamos ao último dia da trilha. Vim narrando alguns dos aprendizados que tive nessa jornada e que eu trouxe para a minha vida. Eu recomendo a todo mundo essa experiência, enfrentei meus limites, meus medos e me enchi de novos amigos.
O último dia começou às três da madrugada, com o ritual do chá de coca – confesso que no último dia eu não queria nem pensar mais nesse chá e nem muito menos ouvir o querido que nos acordava com ele. Mas recolhi todas as forças que restavam depois de todo o esforço dos três dias e juntei as minhas coisas na mochila. A essa altura eu e a mochila éramos praticamente um só. Me sentia um caramujo carregando sua casa nas costas. Enfrentei o banheiro nada agradável do acampamento e o frio da madrugada. Leia mais

De Machu Picchu para a vida – Terceiro dia

20160902_180340Hoje vou falar sobre o terceiro dia da trilha. Ele começou para mim na felicidade total. Porque depois do desafio do segundo dia, eu estava me achando algo perto de mulher maravilha. Então, pensei: “vai ser fichinha esse terceiro dia”. E não foi.

Primeiro que começou chovendo, só para dar um pouco mais de emoção. Foi o dia mais frio. E logo pela manhã, depois de levantar acampamento, subimos até quase quatro mil metros de altitude de novo. Eu não esperava por isso. Meu corpo não esperava por isso. Leia mais

De Machu Picchu para a vida – Segundo dia

img_3828Continuando a saga de aprendizados da Trilha Inca, chegamos ao temido segundo dia. Desde muito antes da viagem, líamos em blogs e comentários que o segundo dia era o pior, o mais cansativo e o mais difícil. Realmente foi. Mas foi também o mais valioso e gratificante.

O dia começou novamente às cinco da manhã com o ritual do chá de coca para ajudar na respiração. Nesse dia atingiríamos o pico mais alto da nossa trilha: 4.215 metros de altitude. Topo da montanha. Leia mais