Arquivos

De Machu Picchu para a vida – Primeiro dia

fb_img_14731902081461Conforme falei no post anterior, fiz recentemente a Trilha Inca de quatro dias que leva até Machu Picchu com mais duas amigas. E foi uma experiência transformadora em vários aspectos.

Esse post é o sobre o primeiro dia. Deixa eu contextualizar: eu não sou esportista, nem tenho um bom condicionamento físico. Estávamos em Cuzco, em um hostel, separamos o que precisaríamos nos próximos quatro dias e colocamos na mochila. A minha tinha em torno de sete quilos. Nada absurdo, mas a ideia de carrega-la por quatro dias não me animava muito.

O guia nos buscou às cinco da madrugada. O frio inquietava bastante. Leia mais

Xô, expectativa!

Expectativa1Faz tempo que essa ideia de caminho, e de processo, tem me rondado. Nós, seres humanos, somos muito imediatistas. Queremos tudo para ontem e com o resultado esperado, ou seja, perfeito. Não é a toa que sofremos tanto de ansiedade. Essa necessidade imensa de controlar tudo que acontece, de querer que tudo aconteça em tempos mágicos e com uma perfeição inquestionável. E se fazer isso com coisas já é cruel, imagina quando fazemos isso com pessoas. Criamos expectativas enormes, o que gera uma ansiedade maior ainda. E nos frustramos quando o outro não se encaixa na nossa perfeição.

É impressionante como a gente tenta controlar tudo. Leia mais

Questão de desapego

desapego 3Já falei aqui, outras vezes, como ser solteiro hoje em dia é um desafio. Existe muita cobrança e especulação. As pessoas querem achar um culpado para o “problema”, e querem a todo custo que você encontre alguém. E como é difícil desapegar dessa pressão.

E pode acontecer de você começar a ficar neurótica(o) pelo fato de estar sozinha(o). E começa a achar que você está fazendo algo de errado. E a especular também… Sei lá, talvez você não seja isso tudo que pensa. Ou o problema é do outro que não se compromete ou não vale nada. Ou vai ver está faltando gente interessante no mundo. Ou você está procurando no lugar errado. Ou tem dedo podre mesmo. Enfim, muitas teorias para justificar o fato de que você está solteira(o).

A verdade é que a maioria de nós, solteiros, quer ter um relacionamento. Queremos encontrar alguém para compartilhar a vida, formar uma família. E o caminho de encontrar esse alguém, muitas vezes é difícil e sinuoso. E às vezes, isso se torna fator de frustração e infelicidade. Leia mais

A arte do (des)encontro

encontroEsses dias eu li um texto muito bacana sobre a suposta falta de homens interessantes no mundo. Até vi uma frase que dizia assim: “Homem é que nem emprego. Não está faltando no mercado, o que falta é qualificação”. E é claro que muitas vezes eu também me pego pensando “onde eles estão se escondendo?”

Não gosto desse discurso de “homem não presta, homem é tudo igual”. Não gosto porque simplesmente não concordo. Conheço muitos caras bacanas e interessantes. Tenho ótimos exemplares em casa e muitos amigos que são sensacionais. E se homem é tão ruim, e não vale nada e ninguém presta, ou fica sozinha, ou arranja uma mulher. Vai ver o problema também pode estar em você e nas suas escolhas, não é? Claro que tem muito homem que ninguém merece. Muita imaturidade. Muita buchada de bode se achando caviar. E muitos homens superficiais. Mas não diria nem de longe ser a maioria.

E ao mesmo tempo que ouço esses discursos anti-macho, escuto também muita reclamação masculina: as mulheres não querem nada com a vida; estão todas desesperadas; elas estão atacando, partindo para cima mesmo; são todas interesseiras; só querem aqueles que tem carro do ano e dinheiro; e por ai vai. Não que eu discorde totalmente também. A coisa está feia mesmo. Mas também não posso dizer que é a maioria, nem perto disso. E a regra aqui é a mesma. Se está tão insatisfeito com as mulheres e ninguém presta, ou fica sozinho ou acha outro homem. Porque eu conheço várias mulheres sensacionais, dessas que qualquer um gostaria de ter por perto.

E eu tenho me perguntado por que essa dificuldade de encontrar pessoas legais? Leia mais

Teoria de Maslow

Estava lendo uns textos sobre motivação e satisfação e me deparei com a pirâmide de Maslow. Não sei se todo mundo já viu, mas ela indica que o nível de realização e felicidade do ser humano depende da satisfação de certas necessidades em uma ordem lógica. Mais ou menos assim:

Maslow

E eu comecei a viajar nisso. E como sempre fui parar nos relacionamentos. Afinal todo relacionamento é uma crescente, e as necessidades também evoluem ao longo do tempo.

E o que a pirâmide me trouxe foi: para chegar à realização pessoal dentro de um relacionamento é preciso seguir uma certa ordem, tendo um compromisso ou não. Leia mais